Documentos oficiais afirmam que “contrato escravo” da SM com JYJ nunca existiu

Os membros do JYJ entraram com uma ação judicial contra a SM Entertainment em 31 de julho de 2009. A ação terminou em 2012, com ambas as partes chegando a um acordo. Por causa dos pedidos dos advogados de JYJ o acordo não tinha sido revelado, mas, em 2015 uma lei foi aprovada que permitiu que qualquer pessoa possa ter acesso a documentos de um processo civil.
Os documentos do caso foram solicitados e o site TVXQtime.com os organizou em tópicos, revelando algumas coisas surpreendentes.

Afirmações de ambos os lados:
SM: O contrato entre SM e JYJ foi escrito com divisão de lucro em favor de JYJ, sendo assim é válido. Portanto é responsabilidade de JYJ pagar perdas e danos à SM. Queriam que o JYJ pagasse os 2,2 bilhões de KRW (aproximadamente 1,9 milhões de dólares) que a SM sofreu de prejuízo por JYJ se recusar a fazer seus compromissos com o Simcheon Concert e os acordos de propaganda.
JYJ:
1. Se a SM interfere com as promoções de JYJ, eles devem pagar 20 milhões de KRW (aproximadamente 17.000 USD) cada vez.
2. A divisão de lucro no contrato da SM é injusta, portanto pedem que a SM pague a diferença calculada pela porcentagem de JYJ de acordo com o contrato de 15 de fevereiro de 2007 (2ª revisão) em todos os lucros antes e depois.
3. Pedem que a SM pague ao JYJ os lucros de 2009 que eles não receberam devido à ação judicial.
4. Pedem que a SM pague cerca de 5 bilhões KRW como soma total dos pedidos 2 e 3. Também incluem juros de 20% por ano não pago.

Conciliação feita em audiência:
1. O contrato entre a JYJ e a SM é válido até 31 de julho de 2009, e está concluído.
2. Entre as reivindicações de JYJ, somente o pagamento não dado em 2009 é reconhecido. A SM Entertainment deve pagar a cada um dos membros da JYJ 650 milhões de KRW (aproximadamente 570.000 de dólares) dentro de 10 dias.
3. SM e JYJ não devem entrar no caminho um do outro.
4. As taxas de processo devem ser pagas por eles próprios, e todas as demanda por perdas e danos é julgada improcedente.

Em outras palavras, o "contrato escravo" que JYJ afirmou não era verdade; Se fosse o tribunal teria ordenado à SM Entertainment pagar o valor total que JYJ havia exigido, sem mencionar que o contrato tinha sido válido. Em vez disso, o tribunal ordenou que a SM Entertainment pagasse apenas os valores de 2009 que os membros do JYJ não tinham recebido por causa do processo.
Quanto às cláusulas abusivas, o tribunal concordou que os termos contratuais da SM Entertainment não eram injustos. Todos os custos são assumidos pela própria SM Entertainment, e os membros obtêm uma porcentagem não do lucro puro, mas das vendas totais (antes de se subtrair os custos). Também foi reconhecido que há lucro somente após a venda de 50.000 álbuns. Além disso, a SM Entertainment oferece uma bonificação de 50 milhões de KRW quando atingem mais de 500 mil álbuns vendidos e de 100 milhões de KRW quando mais de 1 milhão de álbuns são vendidos. Isso significa que os membros são pagos extra quando atingem essa quantidade de vendas. Além disso, em propagandas e promoções no exterior, a relação de lucro dos membros com relação a SM era de, na verdade 7: 3, a favor do TVXQ.
Quanto ao contrato de 13 anos, foi revelado que originalmente, o período do contrato era de 10 anos. Após rumores de que Jaejoong seria retirado, os cinco membros e os próprios pais solicitaram que o período do contrato fosse prolongado.
Em uma decisão temporária, feita rapidamente para que JYJ pudesse promover, o tribunal tinha decidido que o contrato era injusto. No entanto, essa decisão era temporária e já tinha expirado em 2012.
Além disso, nunca foram achadas provas de que a SM Entertainment pressionava as emissoras de TV a não transmitirem o JYJ, mesmo após investigações. Em vez disso, os PDs das emissoras revelaram que JYJ nunca havia sequer pedido a deliberação para a transmissão (como todos devem fazer) e que ninguém os tinha bloqueado mesmo quando JYJ foi escalado para programas de rádio.
O que você acha disso?

Tradução: Lina Miramel
Revisão: Amanda Olie
Fonte: (1)